Polícia Civil contemplará policiais remanescentes aptos a promoção para o ano de 2020

 

DELEGADO-GERAL COM REPRESENTANTES DO SINDPOLPOR LUIZ CLAUDIO OLIVEIRA (ASCOM PCPA) A Polícia Civil do Pará, por meio do delegado-geral Alberto Teixeira, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 8º inciso I da Lei Complementar nº 022/94, irá contemplar os policiais remanescentes aptos a promoção para o ano de 2020.

Nesta quinta-feira (9), o Delegado-Geral da Polícia Civil, juntamente com a Diretoria de Recursos Humanos, a Chefia de Gabinete, delegado Sinélio Ferreira, que compõe o gabinete do delegado-geral, o vice presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Pará (Sindpol) vereador Pablo Farah, e o secretário-geral do (sindpol) Pedro Fernandes de Souza Filho, reuniram-se na sede da Delegacia-Geral em Belém, para tratar sobre a promoção dos policiais remanescentes da Polícia Civil, que no ano passado, após a promoção de alguns policiais civis, não foram contemplados a promoção. 

Para o delegado-geral Alberto Teixeira, de acordo com a Lei Complementar nº 022, de 15 de março de 1994, em seu artigo artigo.29, diante da demanda do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Pará (Sindpol), que trata a respeito de necessidade de promoções dos policiais Escrivão (Epc), Investigador ( Ipc) e Papiloscopistas (Pap), os policiais civis remanescentes, poderão ser promovidos de classe. Para isso, se faz necessário à criação de uma Comissão de Análise de Promoção Funcional, explica o delegado-geral.

Segundo Alberto Teixeira -DG, ao se debruçar na análise jurídica, viu-se da necessidade de previsão legal, e constatou-se que os cargos de nível médio, isto é, os policiais civis remanescentes, poderão ser promovidos dentre o total de vagas, haja vista, que a lei prever as vagas para os cargos de Escrivão, Investigador e Papiloscopistas. “Desta forma concluiu-se que, os policiais civis aptos a promoção funcional, preenchendo os requisitos legais, serão promovidos”, finaliza o delegado-geral.