Polícia Civil deflagra operação Cronos para cumprir mandados de prisão por violência contra a mulher no Pará

ENTREVISTA COLETIVA NA DELEGACIA-GERAL

 

A Polícia Civil deflagrou, nesta sexta-feira (24), a operação Cronos, para dar cumprimento a mandados de prisão referentes aos crimes de violência doméstica contra mulher, feminicídio e homicídio de mulheres, em Belém, região metropolitana e interior do Estado. Até metade da tarde, 39 adultos e um menor tiveram os mandados cumpridos por policiais civis em todo Estado. Destes, 27 adultos e o menor em Belém e região metropolitana, e 12 presos no interior do Pará.

DELEGADA FLÁVIA LEAL E ALDO BOTELHOAo todo, 150 policiais civis de Delegacias vinculadas às Diretorias de Polícia Metropolitana, de Grupos Vulneráveis e de Polícia do Interior participam da operação, desde as primeiras horas da manhã. A ação policial faz parte de uma ação nacional coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícias Civis (CONCPC) definida após reunião com o Ministério da Segurança Pública. Além do Pará, a operação foi realizada em 21 Estados e no Distrito Federal. A ação policial é alusiva aos 12 anos da Lei Maria da Penha completados neste mês de agosto. As informações sobre a operação foram apresentadas, no final da manhã, em entrevista coletiva na Delegacia-Geral, pelos delegados Aldo Botelho, diretor de Polícia Metropolitana; Flávia Leal, diretora de atendimento a grupos vulneráveis, e Raphael Cecim, diretor da Polinter (Serviço Interestadual de Buscas e Capturas). 

A operação foi realizada a partir do levantamento dos mandados de prisão ainda em aberto referantes à violência doméstica, homicídio de mulher e feminicídio no banco de dados da Polinter do Pará. Ao todo, mais de 130 mandados foram catalogados. Com as ordens judiciaisi, a operação foi planejada para esta sexta-feira, quando as equipes de policiais civis saíram às ruas para localizar e cumprir o mandado judicial. Em muitos dos casos, os acusados não foram localizados por vários motivos. Os que foram localizados, foram conduzidos para a Delegacia ou Seccional do bairro, no caso da capital, ou do município, de onde foram encaminhados ao Sistema Penitenciário.